segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Análise: Hamlet [de William Shakespeare]


Tratando-se de uma obra que abre passagens para inúmeras interpretações e aplicações, vou me conter em esboçar esta minha admiração e adoração pela obra que é, sem dúvidas, uma das melhores e mais marcantes leituras de minha vida.

Hamlet é a encarnação do Grandioso, do Magnífico. É a própria grandiosidade e magnificência. Uma prova de que a literatura é o meio pelo qual o homem é capaz da perfeição.

Sobre a Obra

Hamlet é uma tragédia de William Shakespeare, escrita entre 1599 e 1601. A peça, passada na Dinamarca, reconta a história de como o Príncipe Hamlet tenta vingar a morte de seu pai Hamlet, o rei, executando seu tio Cláudio, que o envenenou e em seguida tomou o trono casando-se com a mãe de Hamlet. A peça traça um mapa do curso de vida na loucura real e na loucura fingida — do sofrimento opressivo à raiva fervorosa — e explora temas como a traição, vingança, incesto, corrupção e moralidade.

Hamlet e Sua Aplicação na Vida Real

+ Um história que diz muito sobre nós mesmos


Há muito conteúdo a ser extraído de Hamlet, com seus personagens e suas peculiaridades, suas falas que revelam personalidades que se desdobram diante dos olhos atentos do leitor. Enquanto lia, me vi fazendo inúmeras marcações, me surpreendendo com a grandeza visível das afirmações, situações, ações, falas... Hamlet nos permite entrar no coração e na mente de homens e mulheres que vão desde coveiros e soldados à príncipes e reis.

Hamlet é uma história que nos diz muito sobre nós, nossas motivações, vacilações, nossos desejos, sentimentos, nossa existência, dúvidas, preocupações, nossa ética e nossa moral, entre tantos outros tópicos que nos pertences e que nos são inerentes como seres humanos.

A capacidade que Shakespeare tem de nos inserir nas cenas, nos levando a vê-las com nitidez assombrosa, mesmo fazendo uso de praticamente nenhuma descrição é incrível, além de vermos os movimentos de seus personagens, o desespero e as emoções que os afligem. Hamlet é, sem dúvidas, um livro para ser lido e adorado.

A relação entre os personagens, seus atos direcionados uns aos outros, suas atitudes diante de eventos, conselhos, palavras e reflexões merecem ser analisados e é uma fonte rica de ensinamentos.

+ Um chamado à reflexão

Shakespeare parece haver observado as pessoas e a forma como estas levavam suas vidas e, em suas peças, essa observação mostra ser bastante profunda. Ele abre a humanidade diante de nós e consegue atingir lugares que nem mesmo o melhor cirurgião moderno seria capas de atingir: a alma, isto é, as emoções, sentimentos e pensamentos. As obras de Shakespeare são um chamado a reflexão, um convite que dá passagem a uma serie de descobertas sobre o que há de invisível dentro de nós.

+ Personagens verdadeiros

Eu e você somos retratados em Shakespeare e isso confere a seus personagens um caráter biográfico universal. Temos a sensação de que eles são verdadeiros por sua extrema humanidade representada em suas ações e falas.

Assassinos e cavaleiros, coveiros e reis, cortesão e o populacho, príncipes e soldados, toda sorte de personagens presentes em Hamlet estão banhados por um peso tão grande de humanidade, que é impossível não se identificar e se surpreender com o desenrolar dos fatos. Ler Shakespeare pode nos fazer descobrir que em algum ponto no fundo de nossas mentes, habita um assassino, um louco, um desejo vingativo entre tantos outros.

Por Henrique Magalhães

Nenhum comentário:

Postar um comentário